NOTÍCIAS

MUNDO :Governo chinês destrói igreja por resistir às demandas do Partido Comunista

  • 31-12-1969 21:00

  • Autoridades da província chinesa de Hebei destruíram uma igreja católica clandestina depois que seu líder se recusou a se alinhar ao regime comunista do país.

    A congregação católica clandestina estava se reunindo em uma estrutura temporária na vila de Youtong, no distrito de Luancheng, na cidade de Shijiazhuang, de acordo com  um relatório  da Radio Free Asia.

    Depois que a congregação não cumpriu com a Associação Patriótica Católica Chinesa, uma organização sancionada pelo Estado que dá ao presidente Xi Jinping o controle das paróquias do país comunista, as autoridades demoliram a igreja enquanto seu líder, Dong Baolu, estava no hospital por hemiplegia.

    DEPOIS QUE A CONGREGAÇÃO NÃO CUMPRIU COM A ASSOCIAÇÃO PATRIÓTICA CATÓLICA CHINESA, UMA ORGANIZAÇÃO SANCIONADA PELO ESTADO QUE DÁ AO PRESIDENTE XI JINPING O CONTROLE DAS PARÓQUIAS DO PAÍS COMUNISTA, AS AUTORIDADES DEMOLIRAM A IGREJA ENQUANTO SEU LÍDER, DONG BAOLU, ESTAVA NO HOSPITAL POR HEMIPLEGIA.

    Em 2020, o Vaticano renovou um controverso acordo com o PCC. Embora os detalhes do acordo não tenham sido divulgados, ele concede ao governo chinês permissão para propor nomes para novos bispos ao Vaticano por meio de sua Associação Patriótica Católica. O papa tem poder de veto sobre a decisão final.

    As igrejas católicas – como todas as casas de culto do país – só podem operar na China se estiverem registradas no governo comunista e sob seu controle.

    Existem cinco órgãos de controle na China: a Associação Budista da China, a Associação Taoísta Chinesa, a Associação Islâmica da China, o Movimento Patriótico Protestante de Três Autonomias e a Associação Católica Patriótica Chinesa.

    Como a CBN News  relatou no início deste ano , o PCCh exibiu um controle bastante intenso sobre os crentes, até o ponto de reescrever as Escrituras através das lentes do comunismo.

    Todd Nettleton, porta-voz do órgão de vigilância da perseguição Voice of the Martyrs, disse ao Faithwire da CBN: “Este é um projeto que o Partido Comunista Chinês anunciou em 2019. Na época, eles disseram que seria um processo de 10 anos … para liberar uma nova tradução da Bíblia”.

    A versão censurada da Bíblia incluirá ideais confucionistas e budistas, estabelecendo uma leitura das Escrituras que “realmente apoiaria o Partido Comunista”, disse Nettleton.

    “A questão para o Partido Comunista Chinês é o controle; é sempre sobre controle”, explicou ele sobre a motivação do PCC para editar a Bíblia. “E eles veem a… mensagem cristã como algo que tiraria o controle do partido comunista.”

    Fonte: CBNNEWS

    Fonte: Assessoria de Imprensa